NOVIDADES

BULGE HAIR RESTORATION: SAIBA COMO FUNCIONA O APARELHO QUE ESTIMULA MULTIPLICAÇÃO CELULAR



Lançado pela da LMG Lasers, o Bulge Hair Restoration oferece uma plataforma completa, a primeira e única exclusiva para o cabelo no mundo, permitindo diagnosticar e tratar as mais variadas formas de alopecias e perdas capilares. O aparelho conta com lasers de baixa potência, estimulando a multiplicação das células e o crescimento mais acelerado dos fios. Possui um sistema de radiofrequência microagulhada, aquecendo os bulbos capilares, impulsionando o próprio organismo a liberar fatores de crescimento ao bulbo capilar.


O Bulge Hair Restoration conta ainda com um sistema de microcorrente associada a eletroestimulação, que contrai e solta a musculatura do couro cabeludo, aumentando o subsídio de oxigênio. O aporte de nutrientes e a hidratação também aumentam, como consequência desta melhor oxigenação. Todos estes processos auxiliam a engrossar os fios.


A plataforma apresenta dois lasers, um de 880 e um de 650 nanômetros, além de um sistema de LED, tanto vermelho, quanto azul, que realiza a aplicação com precisão digital. A LMG Lasers destaca recursos como o microscópio de contato e filmagem como alguns dos diferenciais do equipamento.


A análise digital precisa da plataforma identifica precocemente o afinamento dos cabelos, dermatite seborreica, fragilidade, diminuição da densidade e ainda possibilita traçar um comparativo entre o antes e o depois do tratamento.


Outra vantagem é a utilização de radiofrequência microagulhada para drug delivery, permitindo a aplicação dos componentes essenciais para o tratamento em profundidade necessária, garantindo os melhores resultados. O Bulge Hair Restoration conta com sistema de microinjeção de fármacos diretamente no bulbo capilar, potencializando o tratamento clínico.


Sessões: Total de 4 a 5 no mês, atentando-se sempre à manutenção do tratamento.


É contraindicado para pessoas que utilizam anticoagulantes sistêmicos, pacientes que apresentam distúrbios de coagulação e câncer em atividade.



POSTADO EM 10/02/2017

NOTÍCIAS RECENTES